Os vinhos e as lindas paisagens do Vale do Chianti, na Toscana – Voupranos

Os vinhos e as lindas paisagens do Vale do Chianti, na Toscana

Adobe Stock: Greve in Chianti, Florença – Simona Bottone

Para quem sai de Florença, a principal porta de entrada da região do Vale do Chianti, onde ficam algumas das mais lindas e veneradas vinícolas da Toscana, é a pequenina Greve in Chianti, vilarejo com menos de 15 mil habitantes onde a vida insiste em passar mais devagar.

A poucos quilômetros do centro, fica a primeira grande atração local: o Castello di Verrazzano. Seu nome ainda está ligado à primeira família que ali viveu, cujo membro mais famoso foi Giovanni Verrazzano, ilustre navegador que ficou conhecido nos quatro cantos por ter sido o primeiro europeu a descobrir, em 1524, a Baía de Nova York (e depois morreu tragicamente devorado por canibais nas Bahamas).

Adobe Stock: Castello di Verrazzano, Toscana – Ombre Spagla

Adobe Stock: Castello di Verrazzano, Toscana – Michele Zaimbri

Hoje, a propriedade é uma vinícola com indícios que remontam ao século 10 e pertence à família Cappellini. A visita à propriedade passa pelos jardins onde repousa uma linda fonte, espia alguns cômodos da casa e explora as salas de envelhecimento dos vinhos antes de chegar a uma varanda com belas vistas dos vinhedos.

É diante deste cenário que se provam as delícias produzidas ali. O restaurante serve de queijos e embutidos a pratos à base de javalis selvagens (que crescem soltos pelos bosques dos arredores).

Independentemente da escolha, a melhor sobremesa leva o nome de Dona Clara: uma torta de pêssegos servida morna, para jamais esquecer.

Adobe Stock: Castello di Verrazzano, Greve in Chianti – Dan74

Adobe Stock: Panzano in Chianti, Toscana – Stevanzz

A vila de Mona Lisa

Próxima parada: Badia a Passignano, um pequeno e charmoso aglomerado de casinhas seculares que cresceu nos arredores de uma abadia beneditina. Ali, há uma igreja dedicada a São Miguel Arcanjo, do século 13, e um mosteiro, onde vivem apenas quatro monges da Ordem Vallombrosa, que fazem visitas guiadas.

O grande destaque é o refeitório dos sacerdotes, onde fica o impressionante afresco da Última Ceia de autoria do artista renascentista Domenico Ghirlandaio, datado de meados do século 15. O burgo, claro, é cercado de vinhedos. A enoteca local vende preciosidades e organiza degustações.

Adobe Stock: Badia a Passignano in Chianti, Toscana – Luca

Adobe Stock: Badia a Passignano, Toscana – AllorateDe volta à Chiantigiana, um breve desvio leva a Vignamaggio, uma vila erguida no século 14 que tem algo em comum com a musa de Leonardo da Vinci: a Mona Lisa Gherardini, esposa de Francesco del Giocondo (daí a chamarem também de Gioconda).

É conhecido o fato de que foi a família Gherardini quem construiu a Villa Vignamaggio, em Chianti, no século 14. A partir daqui, realidade e ficção se fundem com auras de fantasia. Mona Lisa teria nascido ou vivido em Vignamaggio?

Não há certezas sobre isso e há quem diga que tudo não passa de uma boa lenda. O fato é que o tema rende belas conversas em torno de boas garrafas de vinho – se for da Gran Selezione Monna Lisa, a linha premium de Chianti Classico fabricada na propriedade em homenagem à personagem, tanto melhor.

Adobe Stock: Chiantigiana, Greve in Chianti – Tullio

Adobe Stock: Região de Chianti, Toscana – Ronnybas

Perdidos no tempo

De volta à estrada, Panzano in Chianti, a apenas 10 km ao sul de Greve, parece cenário de filme – o casario de pedra, o castelo, a linda paisagem que se descortina no vale ao seu redor… Bem cedinho, no fim da tarde, a bruma deixa tudo ainda mais mágico. A vila de pouco mais de mil habitantes.

A partir daí, a lista de vilarejos perdidos no tempo – e encantadores na mesma medida – é infindável em Chianti. A minúscula San Leolino, por  exemplo, a poucas centenas de metros de Panzano, tem uma igrejinha  romanesca recheada de obras de arte seculares que são uma preciosidade. Castellina in Chianti guarda resquícios etruscos da época de sua fundação.

Adobe Stock: Panzano, Itália – Andrew

Adobe Stock: Volpaia, Toscana – Kstipek

Volpaia, por sua vez, é um burgo encantador onde fica aquele que é talvez  o bar mais simpático da região, o minúsculo Bar Ucci, endereço perfeito para ver a vida passar sem pressa em volta da mesa (os embutidos feitos artesanalmente pela família são imperdíveis).

Enquanto isso, Radda in Chianti tem um belo centro histórico e um museu interessante para conhecer a história do Chianti Classico, vinho que é a grande joia e marca registrada da região até os dias de hoje.

Adobe Stock: Radda in Chianti, Toscana – Simona Bottone

Adobe Stock: Radda in Chianti, Toscana – Stevanzz

Chianti clássico

A criação da bebida aconteceu em 1872 entre as muralhas medievais de um castelo fortificado nas imediações de Gaiole in Chianti. Após três décadas mergulhado em pesquisas e experiências, o nobre político e cientista Bettino Ricasoli anunciou ter chegado à fórmula do vinho perfeito: um blend das castas tintas Sangiovese e Canaiolo e, em menor quantidade, das brancas Malvasia e Trebbiano. Um vinho robusto, elegante, cheio de personalidade.

Nascia assim o Chianti Classico, cujo símbolo é um galo negro. Com o tempo, as regras foram mudando e agora, para ostentar o símbolo DOCG, de Denominação de Origem Controlada e Garantida, um Chianti Classico só pode levar uvas tintas, e o blend tem que incluir pelo menos 80% da uva Sangiovese.

Adobe Stock: Greve in Chianti, Toscana – Simona Bottone

Adobe Stock: Chianti Classico, Toscana – SvetlanaSF

O palácio fortificado onde tudo aconteceu é o impressionante Castello di Brolio, cujas origens remontam ao século 10, a grande estrela de uma propriedade de 1.200 hectares onde 240 deles estão cobertos de vinhedos. Aqui tem torre medieval, tem muralha, tem ares de contos de fadas.

Toda essa história pode ser conhecida de perto em uma visita ao museu  instalado em uma das torres da propriedade, que reúne um acervo de armaduras e coleções de armas a documentos e detalhes da grande
descoberta da fórmula do vinho perfeito. O fim, claro, termina em brinde.

Adobe Stock: Castello di Brolio, Toscana – Pierre Violet

Adobe Stock: Castello di Brolio, Toscana – DD25

Publicado em: 26/07/2023
Atualizada em: 26/07/2023
Quero contribuir com essa matéria dos Voupranos

Voupra