O que fazer em Cuzco – Voupranos

O que fazer em Cuzco

Adobe stock: Cusco, Peru – Finkandreas

Se você está procurando o que fazer em Cuzco, significa que deseja ir a um dos lugares mais divertidos do Peru. E de lá, provavelmente, visitar outros destinos históricos.

Na hora de montar o roteiro, vale dizer que todos os caminhos para Machu Picchu, principal desejo dos viajantes que vão ao Peru, passam obrigatoriamente por Cuzco, uma linda cidade colonial que, no passado, foi a capital do império inca e está a apenas uma hora de voo de Lima, a capital.

Por ficar 3.300 metros acima do nível do mar, mais alta até do que o famoso destino perdido dos incas, a cidade exige uma aclimatação do corpo à altitude antes de ser explorada.

Descansar algumas horas no quarto e tomar chá de coca, que todos os hotéis servem como drinque de boas-vindas, ajuda a eliminar os efeitos do soroche, mal-estar comum nos Andes que se manifesta como falta de ar, dor de cabeça e tonturas. E é assim, mais adaptado, que o visitante sai para caminhar, bem devagar, pelas ruas de Cuzco.

Adobe Stock: Cuzco, Peru – SL-Photography

Adobe Stock: Cuzco, Peru – Alba

Plaza de Armas

Por ser porta de entrada para Machu Picchu e tão acessível ao bolso, Cuzco transformou-se na principal cidade turística do Peru. Tem um astral vibrante, com gente do mundo inteiro falando várias línguas, é repleta de vielas estreitas e de casinhas coloniais.

Como em toda cidade peruana, também tem sua Plaza de Armas, a praça principal, mas esta tem charmes adicionais, como arcadas coloniais no entorno, cafés com balcões suspensos e duas imponentes igrejas espanholas: a Catedral e a igreja de La Compañía de Jesús.

Nesta última, estão os restos mortais de Francisco Pizarro, o espanhol que sequestrou e matou o imperador inca Atahualpa, antes de conquistar a cidade e pilhar o ouro dos incas, em 1533.

O mais curioso é que Pizarro liderava um exército de apenas 300 homens, mas foi beneficiado pelo medo que os incas tinham das armas de fogo e dos cavalos, animais que eles não conheciam.

Para reafirmar a vitória, os espanhóis ergueram suas casas e igrejas católicas sobre as paredes de pedras de habitações e templos incas. O resultado é visto até hoje em uma louca fusão arquitetônica de duas culturas muito distintas, a exemplo do Qorikancha, o maior templo inca, cujas paredes sustentam o Mosteiro de Santo Domingo.

Adobe stock: Plaza de Armas, Cuzco – SCStock

Adobe Stock: Plaza de Armas, Cuzco – Ecstk22

Caminhada histórica

O melhor programa em Cuzco é caminhar pelas ruas. Depois de conhecer a Plaza de Armas, siga rumo à charmosa Plaza San Blas e procure a famosa pedra de 12 ângulos, que atrai muitos turistas curiosos. Já pela Calle Santa Clara, contemple os delicados espelhos da igreja homônima.

Se contemplar estrelas for a sua praia, o Planetário de Cuzco oferece sessões que ajudam a entender a importância dos astros para os povos originais.

No Mercado de San Pedro, o mais tradicional da cidade, passeie pelas bancas de vegetais e observe as dezenas de variedades de batatas e milhos produzidos nessas montanhas andinas.

O mercado também é o melhor lugar para comprar folhas de coca e aprender como armazená-las no canto da boca para ajudar a aliviar os efeitos da altitude, embora o sabor amargo da folha seja apenas do agrado dos nativos.

Adobe Stock: Cuzco – Matthew

Noite em Cuzco

A noite em Cuzco também é agitada. Nos arredores da Plaza de Armas, há sempre muito movimento, com barzinhos e baladinhas que avançam até alta madrugada. Ande também pelas ruas nos arredores, onde tem sempre muita coisa para fazer depois que o sol sai de cena.

Gastronomia

Em Cuzco, é possível provar carnes exóticas, como a de alpaca (um parente da lhama) e a de cuy, espécie de porquinho-da-índia. Muito conhecido também é o chicharrón, carne frita que pode ser de frango, boi, peixe e de porco, esta última a mais popular e que se assemelha a um torresmo.

Entre as bebidas, faz sucesso a Inka Cola, refrigerante mais popular do que a própria Coca-Cola, além do pisco sour, drinque feito com aguardente de uva, suco de limão e clara de ovos, que os peruanos juram ter sido inventado por eles, e não pelos chilenos.

Nenhuma bebida, porém, é tão útil quanto o chá de coca, que ajuda os estrangeiros a aclimatar o corpo à altitude andina.

Adobe Stock: Gastronomia de Cuzco – Butus

Arredores

Nos arredores de Cuzco há diversos sítios arqueológicos. O mais impressionante é Sacsayhuaman, antiga fortaleza inca cujas muralhas foram construídas com pedras de várias toneladas, polidas e encaixadas umas nas outras. As proezas de engenharia dos incas são motivo de assombro até hoje.

A partir daí, é hora de se preparar para seguir viagem para Machu Picchu. Há três maneiras de fazer isso: parando ou pernoitando em alguma cidade do Vale Sagrado, que está no meio do caminho; diretamente, de van, ônibus ou trem; ou encarando a pé a longa, porém belíssima Trilha Inca.

Adobe Stock: Machu Picchu – Vitmark

Publicado em: 27/04/2023
Atualizada em: 27/04/2023
Quero contribuir com essa matéria dos Voupranos

Peru