Dicas para planejar uma viagem dos sonhos para Punta Cana, no Caribe – Voupranos

Dicas para planejar uma viagem dos sonhos para Punta Cana, no Caribe

Adobe Stock: Punta Cana, República Dominicana – Nikolay N. Antonov

Extensas, tomadas por um formoso coqueiral que sempre esconde as construções e com águas calmas por causa da proteção natural oferecida por barreiras de corais, as praias de Punta Cana, na República Dominicana, são “o” antídoto para viajantes estressados. Mas é bom conhecer um pouco da região antes de viajar para planejar uma viagem longe de qualquer dor de cabeça.

Outro chamariz é a extensa oferta de resorts all-inclusive. São cerca de 100 complexos (alguns específicos para maiores de 18 anos), que têm como principal característica a inclusão de todas as refeições, bebidas, petiscos e até o consumo do frigobar no preço da diária.

Grudados a uma praia deslumbrante, esses megacomplexos, que juntam bons quartos a spa, vários restaurantes de diversos “sotaques” do mundo, baladas fervidas e estrutura completa de clube, atraem quase que especificamente um tipo de turista: aquele que pretendem viajar e descansar fazendo o menor esforço possível, sem tanto vaivém para conhecer os highlights de um lugar.

É que Punta Cana foi feita especialmente para quem está a fim de aproveitar, ao extremo, as sempre presentes comodidades e mordomias dos resorts..

Adobe Stock: Punta Cana, República Dominicana – Bruno I Alves

Como são os resorts

Muitos podem achar perda de tempo seguir para um lugar, e ainda por cima no exterior, para basicamente curtir um hotel. Mas já que Punta Cana não empolga pelo aspecto histórico nem pelas compras – e tem poucos passeios que fazem os olhos dos turistas brilharem – esse foi o negócio em que a região apostou e, pela resposta dos visitantes, deu certo. Milhões de pessoas vão para lá anualmente.

Com tal proposta – que, em termos de Caribe, só encontra concorrente em Cancún, no México, e ainda assim parcialmente –, os resorts se tornaram uma grande fonte de renda para os dominicanos e os ajudaram a capitalizar, a partir dos anos de 1970, a beleza inconteste de Punta Cana. A partir daí, a região transformou-se em um dos destinos de sucesso do Caribe.

Em um mundo acelerado como o de hoje, em que curtir o ócio pode ser considerado um luxo, também fazem um grande negócio os visitantes que seguem para lá. Isso porque pode ser gratificante abrir mão de bater perna freneticamente – ou fazer isso vez por outra durante uma viagem – para simplesmente relaxar na piscina de borda infinita ou na jacuzzi na sacada do quarto.

Adobe Stock: Piscina tropical em resort de luxo, Punta Cana – ValentinValkov

Também não tem preço ler um livro deitado em um convidativo pergolado com voal, “apagar” durante uma massagem no spa e tomar sol contemplando o mar caribenho, com uma piña colada a tira­colo.

Nos dias em que quase tudo o que se tem a fazer é descansar, também serão boas companhias outros símbolos etílicos da República Dominicana, como a popular cerveja Presidente, o famoso rum Brugal e os drinques banana mama e coco loco, que, como a piña colada, levam rum em suas receitas. E tome quantos quiser, pois as bebidas e alguns (ou muitos) mimos vão sempre estar incluídos na diária.

Adobe Stock: Piscina tropical em resort de luxo, Punta Cana – ValentinValkov

Ilha Saona

Ok, já deu para sacar que é tudo de bom relaxar diante das fantásticas praias de Punta Cana. E, claro, ter à disposição a gigantesca estrutura dos resorts, com várias piscinas, kids clubs para diferentes faixas etárias, teatro, cassino, boate, campo de golfe e lojas, algumas no esquema duty free.

E haja pique para as atividades esportivas e de lazer monitoradas, que chegam até a incluir aulas de trapézio, de mergulho e de beisebol, esporte popularíssimo na República Dominicana.

É o caso do tour que leva à Ilha Saona– alcançada de catamarã ou lanchas rápidas, que partem de Bayahibe, vilarejo a uma hora e meia de Punta Cana. Trata-se de um lugar banhado por águas tinindo de azul, com visual fantástico, um dos mais belos da República Dominicana.

Adobe Stock: Praias do Caribe, República Dominicana – Aero-pictures.de

Na ida, quando a embarcação já está a 20 minutos em mar aberto – e que mar, ainda mais arrebatador que o de Punta Cana –, o piloto “estaciona” para que os turistas façam snorkeling no que parece ser uma imensa piscina, tamanha a transparência da água. Ali, com profundidade um pouco maior que 1,5 metro e sem a presença de corais (que, na realidade, é o que atrai a “visita” de variadas espécies marinhas), as estrelas-do-mar, encontradas em diversos tamanhos, reinam absolutas.

A parada seguinte já é na Ilha Saona, que reúne todos os adoráveis clichês caribenhos: mar verde-água de temperatura agradável, areia clara e fininha, espreguiçadeiras colocadas à sombra de coqueiros, sossego… O lugar, dotado de restaurante, serviço de bar e banheiros, é bem rústico – e tem tudo a ver ser mantido assim –, limpo e organizado.

Adobe Stock: Ilha Saona, República Dominicana –

Santo Domingo

Muitas pessoas chegam à República Dominicana a partir de Santo Domingo, capital e a maior cidade do país, situada a cerca de 200 km de Punta Cana. Se for o seu caso, aproveite para tomar um banho de história no local onde o navegador genovês Cristóvão Colombo aportou quando descobriu a América.

No centro colonial, que é todo murado, não deixe de visitar a catedral Santa Maria De La Encarnación, erguida em 1540, a primeira da América; e o Alcázar Colón, palácio onde viveu Diogo Colón, ou Diogo Colombo, filho de Cristóvão Colombo.

Adobe Stock: Aeroporto de Santo Domingo na República Dominicana – Gian

Publicado em: 03/04/2024
Atualizada em: 03/04/2024
Quero contribuir com essa matéria dos Voupranos

Caribe