Curaçao, no Caribe, tem praias lindas e muitos outros encantos – Voupranos

Curaçao, no Caribe, tem praias lindas e muitos outros encantos

Adobe Stock: Porto Marie Beach, Curaçao – Simon Dannhauer

Ela tem um nome pouco familiar e diferente, pronunciado de maneira anasalada, e ainda não virou um fenômeno em termos de Caribe. Puro desconhecimento (e pouca divulgação, é verdade), já que Curaçao é vizinha de Aruba, uma das mais famosas e desejadas ilhas caribenhas, com a qual tem atrações em comum que vão além do inesquecível mar em diversas nuances de azul.

Neste quinhão de terra cercado de água, que responde pelo C no apelido de “ABC do Caribe” (Bonaire completa o trio), os habitantes também vivem em casas coloridas e há a mesma mistura curiosa de praias com territórios muito secos, dominados por cactos.

Assim, apesar do clima tropicalíssimo, a planta de ambientes áridos domina parte do território local, fazendo dela uma das marcas registradas de Curaçao. Tanto que o prato mais típico da ilha, o kadushi, é uma sopa feita à base de cactos, de aparência estranha e gosto um tanto peculiar.

Apesar da riqueza natural, quem busca fotos de Curaçao na internet se depara, de cara, com várias imagens de Willemstad, a simbólica e simpática capital da ilha. Não é para menos, já que um passeio por ali pode ser uma ótima maneira de começar a viagem pela região.

Adobe Stock: Playa Lagun, Curaçao – Ggfoto

Adobe Stock: Playa Lagun, Curaçao – Ggfoto

Willemstad

A multicolorida capital é dividida em duas partes, Punda e Otrabanda, que quer dizer exatamente isso: outra banda, outro lado. Isso demonstra a semelhança do papiamentu com o português.

As duas áreas são separadas pelo Canal de Santa Ana, sobre o qual há três pontes. A mais famosa e interessante delas é a ponte flutuante Rainha Emma, só para pedestres.

Construída em 1888 pelos holandeses (Curaçao se tornou país autônomo em 2010, mas é membro do Reino da Holanda), ela se abre e fecha mais de 30 vezes por dia para dar passagem a barcos e transatlânticos, a bordo dos quais chega a maior parte dos turistas, geralmente vindos dos Estados Unidos.

Adobe Stock: Willemstad, Curacao – Birdiegal

Adobe Stock: Willemstad, Curaçao – Fokke Baarssen

Quando a estrutura está aberta, um serviço de ferry oferece transporte gratuito para que os pedestres passem de um lado ao outro.

O agito de Willemstad fica ao redor da ponte, onde há construções de arquitetura holandesa com cores vibrantes e variadas, que abrigam restaurantes e lojas de suvenires – e são a “cara” de Curaçao. Para quem se interessa por objetos nativos, por sua vez, vale caminhar pela borda do canal, do lado de Punda, até o Mercado Flutuante, onde há uma feira ao ar livre e diversas barracas de presentinhos típicos.

Por ali se encontra uma atração histórica inesperada: uma das primeiras sinagogas do Ocidente, construída em 1732. O constante fluxo de navegadores de diferentes nacionalidades fez com que, desde o século 18, muitos judeus passassem pela ilha. Essa mescla de culturas resultou também em tolerância religiosa, permitindo que a sinagoga permanecesse intacta.

Adobe Stock: Willemstad, Curaçao – David Brown

Adobe Stock: Sinagoga, Punda, Curaçao

Aquário e tratamento com golfinhos

Para ficar cara a cara com o hipnotizante mar caribenho, uma boa escolha é instalar-se em um dos muitos hotéis perto do Sea Aquarium. A praia por ali é belíssima e recebe basicamente os turistas hospedados na região. Há desde complexos específicos para quem viaja para fazer tratamentos em que os golfinhos são os grandes parceiros até grandes resorts.

Com a praia como coadjuvante, o grande destaque é o Sea Aquarium, que reúne diversos aquários com peixes, arraias, tartarugas e tubarões. As atrações mais divertidas, porém, são os shows e brincadeiras com golfinhos, no Curaçao Dolphin Therapy and Research Center (simplesmente chamada de Dolphin Academy), e os passeios no minissubmarino Substation.

Adobe Stock: Lions dive Resort, Curaçao – Gail Johnson

Adobe Stock: Curaçao – Lucas

Apesar de estar localizada dentro do Sea Aquarium, a Dolphin Academy é um mundo à parte. É internacionalmente reconhecida não só pelo turismo. Trata-se de um dos mais importantes centros mundiais de pesquisas e terapias com golfinhos. O trabalho terapêutico é voltado para crianças com necessidades especiais a partir de 3 anos de idade e adultos com traumas.

Já o passeio a bordo do Substation, que leva até cinco pessoas e é capaz de submergir a 320 metros de profundidade, também tem saída do Sea Aquarium. Está aí uma ótima opção de diversão para crianças (a partir de 10 anos) e para pessoas que não têm coragem de mergulhar tão fundo.

Adobe Stock: Curaçao – DAMIATI

Adobe Stock: Curaçao – Fokke Baarssen

Praia de Kenepa

Não existe unanimidade sobre qual faixa de areia é a mais bela ou frequentada de Curaçao, mas a mera definição da Praia de Kenepa, ao norte da ilha, é capaz de conquistar seu voto. Ela é conhecida como a “praia de azul perfeito”. O mar não é azul-turquesa nem azul-clarinho, o que já seria fantástico. É mesmo um azul… Perfeito.

E a reação de qualquer visitante ao chegar ali pela primeira vez confirma a definição: aquelas nuances de azul não existem em qualquer praia, mesmo nas caribenhas. É difícil ter tinta que consiga imprimir fotos que traduzam à risca a tonalidade.

Para intensificar o impacto, a chegada a Kenepa se dá pelo alto, desde um mirante. Esteja com a bateria da câmera carregada e com o cartão de memória com muito espaço livre, pois o local rende as melhores fotos da viagem.

O tal azul perfeito colore a faixa de mar que, por ser bem calmo, permite que os bem-dispostos nadem grandes distâncias. Só não é boa opção para os que não sabem nadar, já que logo fica profundo e é preciso algum esforço para boiar, mesmo próximo à praia.

Adobe Stock: Kenepa, Curaçao – PhotoSerg

Adobe Stock: Kenepa, Curaçao – PhotoSerg

Mergulho

Para fazer snorkelling ou mesmo um mergulho de cilindro em Curaçao, vale contratar um passeio de barco, que ancora sobre os pontos mais interessantes ao redor da ilha.

São oferecidos diversos roteiros, como o passeio pela Baía de Santa Bárbara, espécie de Beverly Hills de Curaçao, repleta de mansões. Ali fica Caracas Bay, um dos melhores locais para mergulho, com direito até a um navio naufragado.

Adobe Stock: Mergulho em Curaçao – Gail Johnson

Adobe Stock: Mergulho, Curaçao – NaturePicsFilms

Aventuras áridas

É a árida região oeste que, além de muitas praias, abriga os parques nacionais de Curaçao. A melhor amostra da fauna e da flora nativas é observada no Parque Nacional Christoffel, dominado por cactos e lagartos verdes e azuis.

Esta é a maior reserva natural da ilha, onde podem ser feitos passeios de jipe e de quadriciclo, além de oito trilhas a pé. Há desde caminhadas leves até um trekking mais exigente rumo ao topo do Monte Christoffel, 375 metros acima do nível do mar.

No Parque Nacional Shete Boka, belezas naturais também são alcançadas por trilhas variadas. Apenas 15 minutos de caminhada, a partir da entrada do parque, levam até Boca Tabla, conjunto de rochedos em frente ao mar bravo, que forma ondas altíssimas, podendo ser apreciados de diferentes mirantes. Há até uma pequena caverna em Boca Tabla, de onde é possível ver as fortes ondas tentando se embrenhar entre as pedras.

Outras dez bocas (rochedos que avançam para o mar) fazem parte desse parque, algumas acessíveis por trilhas de mais de uma hora. A vizinhança é muito especial e bem preservada, tanto que três espécies de tartaruga procriam na região.

Adobe Stock: Parque Nacional Shete Boka, Curaçao – Skyf

Adobe Stock: Parque Nacional Shete Boka, Curaçao – Fortgens Photography

Adobe Stock: Parque Nacional Shete Boka, Curaçao – Gail Johnson

Publicado em: 16/06/2023
Atualizada em: 16/06/2023
Quero contribuir com essa matéria dos Voupranos

Caribe