Campos do Jordão garante diversão em qualquer época do ano – Voupranos

Campos do Jordão garante diversão em qualquer época do ano

Adobe Stock: Campos do Jordão – Murilo

O inverno começa oficialmente no Brasil em 21 de junho, mas em Campos do Jordão, no interior de São Paulo, ele chega antes. É a partir do feriado de Corpus Christi, no fim de maio ou início de junho, que a cidade se transforma: as ruas lotam com o prenúncio de dias cada vez mais frios, atrações abrem as portas e lojas e barzinhos comemoram a arrancada nos lucros.

No meio do burburinho, a Vila Capivari vira o point da galera, que bate perna por lá desde o início da tarde até de madrugada para ver as vitrines dos mini shoppings, tomar chocolate quente na praça ou garantir um assento nas mesas ao ar livre da cervejaria Baden Baden. O que muita gente não sabe é que há muito que se ver e fazer fora desse
epicentro comercial, farto em opções de compras e em concentração de gente elegante, mas que perde de longe nos = quesitos cultura e natureza para os lugares mais afastados da cidade. Portanto, borá para lá. Sobretudo nas outras estações do ano, quando Campos do Jordão também encanta.

Adobe Stock: Capivari, Campos do Jordão – Diegograndi

Natureza abençoada

A 13 km de Capivari, por exemplo, está o Horto Florestal, uma enorme área verde com lagos, cachoeiras, hortênsias e araucárias centenárias. Não tem como não gostar do lugar. No verão, as crianças não querem sair da beira do lago cheio de carpas e imploram para subir nos vagões do trenzinho que roda pelo Parque Estadual. Já os mais velhos sentem que valeu a pena fugir da cidade grande: passeiam pelos viveiros, pelo orquidário e fazem trilhas. Apenas 2 km de andança levam à Cachoeira do Galharada, com um poço perfeito para nadar – algo mais indicado no verão. Também há a trilha da Cachoeira Celestina, mas essa é para quem tem pique. São cinco horas de duração, e só é possível fazê-la com monitor e agendamento.

Adobe Stock: Horto Florestal, Campos do Jordão – Eliane

Os amantes da natureza ainda tem a opção de fazer um pit stop no Flores que Voam Borboletário ou ir ao Amantikir Jardins, com labirintos, estufa e cerca de 20 espaços floridos que soam como poesia aos olhos. Perto de Capivari, também se pode visitar as cascatas da Ducha de Prata e o Parque da Floresta Encantada, fazer tirolesa no Bosque do Silêncio e pegar o trem turístico que vai até Santo Antônio do Pinhal. Para quem viaja com crianças, pertinho dali está o Tarundu, parque de aventura que oferece diversas atividades. Tem arvorismo, voo de balão, tirolesa, boia-cross, toboágua, passeios a cavalo, patinação no gelo e a inusitada orbit ball, bola inflável que rola ladeira abaixo com você dentro. Se você não estiver no clima de se mexer, vá para as mesas do restaurante. Ali dá para tomar uma cervejinha ou um cappuccino e ver o pôr do sol.

Adobe Stock: Amantikir Park, Campos do Jordão – Julio Ricco

Opções culturais

Quem prefere roteiros culturais, por sua vez, deve seguir no sentido inverso da Rodovia SP-50 rumo ao Alto da Boa Vista. É nessa região que estão três grandes atrações gratuitas: o Palácio Boa Vista (residência do governador), o Auditório Claudio Santoro e, junto dele, o Museu Felícia Leirner, com dezenas de esculturas da artista polonesa espalhadas pelos jardins. As obras neste último são interessantes, mas especial mesmo é o cenário em que o espaço cultural está inserido. Ao longo de um gramado entre araucárias, espalham-se 85 esculturas feitas por Felícia, artista polonesa que viveu no Brasil de 1904 a 1996.

Adobe Stock: Alto da Boa Vista, Campos do Jordão – Julio Ricco

É uma boa chegar pouco antes do pôr do sol, especialmente se estiver em casal. Sente em um dos bancos e assista ao dia acabar olhando a Serra da Mantiqueira. É revigorante. O fim da tarde também é o horário certo para visitar o Mosteiro de São João. O passeio é gostoso tanto em casal quanto com as crianças, já que dá para passar um tempo no bosque de araucárias e ao redor do lago de carpas, algo que os pequenos adoram. O silêncio vai até às 17h30, horário em que cada vez mais gente aparece. É que às 17h45, todos os dias, as monjas beneditinas entoam na capela um canto gregoriano fascinante ao longo de 20 minutos. Além disso, elas produzem gostosos pães, chocolates e geleias, que são vendidos em uma pequena loja ao lado da capela.

Adobe Stock: Campos do Jordão – Paulo Nabas

Muito além do inverno

Se no inverno as árvores estão desfolhadas, a primavera chega a Campos do Jordão pintando a mata nativa com flores coloridíssimas. De agosto até meados de novembro, é a época das cerejeiras, as árvores com aquelas folhas de um tom rosa-claro que faz tudo ficar mais aconchegante e alegre. Se você for a Campos até o fim de setembro (quando a florada é mais intensa), é provável que vá conseguir ver um espetáculo no Parque das Cerejeiras.

Quatrocentas árvores carregadas de flores se acomodam lado a lado formando um túnel lilás. É maravilhoso. Elas são tantas que o parque abriga a Festa da Cerejeira, nos fins de semana entre julho e agosto. O outono também é uma boa época para ver as belezas naturais de Campos do Jordão. As lavandas florescem no período e se esparramam especialmente pelo Campo de Lavandas, no Pico do Itapeva.

Adobe Stock: Cerejeira, Campos de Jordão – Luciana

Nessa estação, a natureza troca as cores das folhas e faz com que as ruas da cidade e as trilhas do Horto Florestal se transformem em tapetes de plátanos avermelhados, tal como acontece nas cidades do Canadá. Um ponto onde todo mundo vai ver essa natureza bonita é o mirante da Pedra do Baú, em São Bento do Sapucaí. É só pegar 23 km de estrada e parar o carro para ver essa formação rochosa bem à frente. Trata-se de um dos lugares mais fotogênicos da região.

Adobe Stock: Pedra do Baú, Campos do Jordão – Anaguzzo

Publicado em: 06/06/2023
Atualizada em: 06/06/2023
Quero contribuir com essa matéria dos Voupranos

Voupra