Nos embalos de Nashville, o berço do country nos EUA – Voupranos

Nos embalos de Nashville, o berço do country nos EUA

Adobe Stock: Nashville the Music City – Abemos

Separe a bota de couro, um chapéu de cowboy e muita animação. Se não tiver os primeiros itens, vá apenas com o último, não tem problema. Você já estará apto a curtir todas as atrações.

Em Nashville, no Tennessee, conhecida como Music City (Cidade da Música), a festa não tem hora para acabar. Sobretudo nos honky tonks, como são chamados por lá os bares típicos com bandas ao vivo, que se descortinam aos montes com seus letreiros coloridos e servem, todas as noites, doses industriais de cerveja (local, como a Yazoo ou a Hap and Harrys) e uísque, entre outras bebidas.

Na Meca americana do country, só não se diverte quem não quer. Confira as principais atrações de Nashville.

Adobe Stock: Banda de Country – Michelangeloop

Broadway

É na Broadway, a avenida mais turística da capital do Tennessee, que a farra rola solta de segunda a segunda, até às 3h da manhã. A partir do Rio Cumberland, bem próximo da linda ponte de pedestres John Seigenthaler e do Nissan Stadium (a casa do Tennessee Titans, time de futebol americano local), cinco quarteirões de puro agito se sucedem.

Isso porque eles estão tomados pelos honky tonks – já ouviu a música Honky Tonk Woman, dos Rolling Stones? –, quase todos com letreiros coloridos e bandas que se apresentam em palcos grudados nas enormes janelas da fachada, ao ponto de ficarem expostas a quem passa pela calçada.

Muitos também contam com rooftops (espaço no telhado, geralmente avarandado), como o Luke Bryan’s 32 Bridge e o Jason Aldean’s Kitchen, os mais bombados do momento, bem como os tradicionais Tootsies Orchid Lounge, The Stage on Broadway e Acme Feed & Seed.

Ao pular de um bar para o outro, dá para ouvir country e rock de alta qualidade, bem como trombar com muita gente de todo estilo pelas ruas.

Adobe Stock: Broadway, Nashville, Tennessee – 4kclips

Adobe Stock: Estádio Nissan, Nashville, Tennessee – Fotoluminate LLC

Country Music Hall of Fame

Quem vai a Nashville quer saber mesmo é de escutar boa música. E não há lugar melhor para isso do que o Country Music Hall of Fame, situado no centro, pertinho da Broadway.

O prédio imponente, que fica ao lado do igualmente vistoso espaço de convenções Music City Center e da Bridgestone Arena, a casa dos Predators, time de hóquei no gelo local, é margeado por uma espécie de calçada da fama com placas de ídolos da música country. Há um pacote de ingresso que dá acesso ao RCA Studio B, um dos estúdios de gravação mais famosos do mundo. Vale a pena.

A partir daí, basta ir ao hall de entrada do Country Music Hall of Fame no horário agendado. É de lá que parte o ônibus rumo ao local em que Elvis Presley gravou nada menos que 250 músicas, entre elas seus maiores sucessos – isso ocorreu depois que ele deixou a lendária Sun Studio, em Memphis, a cerca de três horas de carro dali.

O tour é guiado e permite ver de perto as salas e os instrumentos usados por nomes como Chet Atkins, Eddy Arnold e Roy Orbison. O piano favorito de Elvis, preto e reluzente, é o destaque do estúdio. Você provavelmente vai querer fazer uma foto ao lado dele. Dá, inclusive, para tocar, se você souber.

Uma das curiosidades contadas durante o passeio é que o Rei do Rock gostava de usar iluminações coloridas para gravar certas canções. Assim, a guia deixa o estúdio vermelho, azul ou verde enquanto roda alguns sucessos. Antes da despedida, ela apaga as luzes e recomenda que todos fechem os olhos para ouvir, com incrível acústica, Elvis cantando bem ali, como se estivesse ao seu lado. É empolgante.

Adobe Stock: Country Music Hall of Fame, Nashville – 4kclips

Adobe Stock: Country Music Hall of Fame, Nashville, Tennessee – K.A

Museu do country

Depois de cerca de uma hora de visita no RCA Studio B, o ônibus retorna ao Country Music Hall of Fame. Com dois andares, o lugar é farto em referências ao estilo musical, com instrumentos, roupas e detalhes que contam a trajetória desde Minnie Pearl até Alan Jackson.

Tudo é apresentado com cuidado, o que agrada bastante aos fãs. Não são muitos os brasileiros que se identificam com o estilo, mas mesmo assim vale ir até lá para ver, de perto, o Cadillac branco com maçanetas de ouro, TV e geladeira, que pertenceu a Elvis Presley. Ele o usava constantemente para viajar de Memphis, onde morava, até Nashville, para gravar.

O local abriga ainda o Hall da Fama, com os nomes dos principais expoentes do country exibidos em uma ampla sala circular, para que todos tenham a mesma importância. Anualmente, novas plaquinhas são adicionadas por lá após disputadas eleições, com referência ao “círculo que nunca se fechará”.

Adobe Stock: Country Music Hall of Fame, Nashville, Tennessee – Ulf

Adobe Stock: Country Music Hall of Fame, Nashville – Gerald Zaffuts

Museu do Johnny Cash

“Olá, eu sou Johnny Cash”. A singela frase com a qual o compositor de I Walk The Line costumava abrir seus shows estampa a parede de entrada do Johnny Cash Museum, a uma quadra da Broadway. O espaço, apesar de pequeno, é bem interessante.

Foi montado por Bill Miller, um dos melhores amigos do cantor e compositor, e exibe roupas, acessórios, partituras, poemas, desenhos, campanhas ativistas e instrumentos. Totens com tablets permitem ouvir as mesmas músicas replicadas em fitas cassete, discos de vinil, CDs e MP3, entre outros formatos.

Dá também para “comandar” Cash em um estúdio e assistir a alguns documentários. O Johnny Cash Museum fica no mesmo prédio do Patsy Cline Museum, dedicado à lenda do country.

Adobe Stock: Museu Johnny Cash, Nashville – 4kclips

Adobe Stock: Museu Johnny Cash, Nashville – Marcus Jones

Ryman Auditorium

A Cidade da Música tem ainda diversos outros lugares relacionados ao tema que merecem a visita, como o Ryman Auditorium. Erguido no final do século 19 como uma igreja, o local logo se transformou em palco de apresentações culturais, sobretudo musicais, graças ao poder acústico do ambiente.

De 1943 a 1974, foi usado como cenário de gravação do Grand Ole Opry, o programa de rádio que está no ar, sem interrupções, há mais tempo no mundo. Por isso, é apelidado de Igreja Matriz do Country.

Ao longo do tempo, passaram por seu palco nomes como Dolly Parton, Ringo Star, Jerry Lee Lewis, Eddie Vedder, Tom Petty, Ed Sherman, B.B. King e Steve Wonder, entre muitas outras lendas. Isso sem contar Bill Monroe e sua banda, que em 1945 apresentaram por lá, pela primeira vez, o ritmo bluegrass.

Adobe Stock: Ryman Auditorium – Nashville, Tennessee – MelissaMN

Adobe Stock: Ryman Auditorium, Nashville – Fotoluminate LLC

Grand Ole Opry House

Depois que deixou de ser gravado no Ryman Auditorium, o programa de rádio Grand Ole Opry ganhou uma moderna casa de shows em uma área, anteriormente, ocupada por um parque de diversões chamado Opryland, que faliu.

Hoje, o espaço reúne também o shopping Opry Mills, onde há diversas outlets de marcas queridinhas dos brasileiros, como Nike, Michael Kors, Gap e Forever 21, bem como o luxuoso resort Gaylord Opryland Resort.

Na Grand Ole Opry House, é possível assistir a gravações do programa de rádio em diversos dias da semana. Durante aproximadamente duas horas, mais de 10 bandas ou duplas se apresentam, tocando duas ou três músicas cada.

O detalhe é que, no centro do palco, há um pedaço de piso redondo, de madeira mais clara, que foi levado do Ryman Auditorium para lá. Justamente para os artistas se sentirem no “solo sagrado do country”, em meio ao “círculo que nunca se fechará”.

Adobe Stock: Grand Ole Opry House, Nashville – Joe Hendrickson

Adobe Stock: Grand Ole Opry, Nashville – MelissaMN

Centennial Park

Antes de se transformar na Music City, Nashville era conhecida como a Atenas do sul dos Estados Unidos. Tudo porque, após a fundação da cidade, sempre se investiu muito em educação por lá, sobretudo em filosofia.

Isso explica o fato de haver uma réplica do Parthenon no Centennial Park, uma das áreas verdes mais bonitas da região. A obra foi construída em 1897 como parte da Exposição do Centenário do Tennessee. Hoje, abriga um museu, com destaque para uma estátua da deusa Atena, de 13 metros de altura, ornamentada com mais de 3,6 kg de folhas de ouro.

Adobe Stock: The Parthenon, Centennial Park, Nashville – Jbyard

Adobe Stock: Centennial Park, Nashville, Tennessee – Marcus Jones

Frist Center for the Visual Arts

Ainda na trilha cultural, vale a pena visitar também o Frist Center for the Visual Arts. Trata-se do principal museu de artes de Nashville, onde são realizadas diversas exposições temporárias ao longo do ano, que podem durar até três meses. Fica em um prédio de mármore branco belíssimo, onde funcionou o correio da cidade.

Adobe Stock: Frist Art Museum, Nashville, Tennessee – Nigel

Antique Archaeology Nashville

Peças dignas de museu também podem ser encontradas na Antique Archaeology Nashville. Quem já assistiu ao programa Caçadores de Relíquias vai adorar essa loja. É a segunda no país pertencente aos protagonistas da série – a sede fica em Le Claire, no Iowa.

Ali há um pouco de tudo, desde motos antigas até uma múmia peruana e placas da RCA Studio B. É uma síntese da multifacetada Nashville, uma das cidades mais originais e divertidas dos Estados Unidos.

Publicado em: 09/06/2023
Atualizada em: 09/06/2023
Quero contribuir com essa matéria dos Voupranos

EUA