Esqui e muito charme em Park City, nos EUA – Voupranos

Esqui e muito charme em Park City, nos EUA

Adobe Stock: Park City Canyons – FashionStock

Há quem diga que o grande trunfo de Park City é a discrição. Situada a apenas 35 minutos de carro do aeroporto de Salt Lake City, capital do Utah, a cidade tem uma atmosfera bem mais tranquila que a de outras estações de esqui dos Estados Unidos, como Aspen, no Colorado. Nem por isso é menos sofisticada e tem menos atrações.

O ator Will Smith, o ex-jogador de basquete Michael Jordan, o executivo e produtor de cinema Jeffrey Katzenberg e uma porção de outros bilionários têm mansões belíssimas por lá. Outras celebridades frequentam regularmente a região tanto na temporada de inverno quanto na de verão, a exemplo do apresentador Jimmy Fallon, do cantor Justin Bieber, da atriz Gwyneth Paltrow e das socialites da família Kardashian. Até mesmo a brasileira Juliana Paes, fã de snowboard, se rendeu aos encantos locais.

Os famosos adoram Park City porque, de fato, costumam passar despercebidos pelos turistas quando dão as caras nas ruas ou nas montanhas da cidade. Seja por estarem escondidos debaixo das grossas roupas e acessórios de inverno, seja porque quem visita a região realmente não costuma incomodá-los.

Adobe Stock: Estância de esqui pitoresca em Park City – Jason

Afinal, eles estão sempre por lá, especialmente em janeiro, durante a realização do Sundance, festival idealizado por Robert Redford para celebrar a descoberta de artistas emergentes de filmes independentes. O cineasta, inclusive, foi dono, por muitos anos, de um restaurante no centro histórico, o Zoom, hoje com as portas cerradas.

É por contar com essa atmosfera que Park City soa perfeita para quem procura um destino para relaxar. Não à toa, hotéis e restaurantes luxuosos não faltam por lá, mas há também boas opções econômicas.

O mesmo pode ser dito em relação às experiências oferecidas, que vão do esqui ao après-ski (depois do esqui), no inverno, até uma série de passeios na natureza, nos meses mais quentes.

Adobe Stock: Área de esqui de Park City – FashionStock

Adobe Stock: Ponte ao longo da pista de esqui – Ryan Tishken

Park City e Canyons Village

A cidade do Utah concentra dois grandes complexos montanhosos: o Park City Mountain Resort, que abrange as montanhas de Park City e Canyons Village; e o Deer Valley Resort. Enquanto este último atrai quem tem mais dinheiro, por ser mais exclusivo, os dois primeiros despontam como opções mais democráticas. Inclusive para os esportistas, já que em ambas dá para praticar snowboard no inverno, modalidade proibida na vizinha luxuosa.

Canyons Village é a montanha mais vazia, justamente por estar mais afastada do centro histórico da cidade. O acesso à montanha se dá por meio de gôndolas que ficam a uma simples caminhada de bons hotéis e restaurantes.

Adobe Stock: Nascer do sol no Bryce Canyon National Park, Utah – Mark

Park City, por sua vez, é uma das poucas montanhas do mundo cujo acesso se dá diretamente da vila comercial. O lift fica na rua principal da cidade, a Main Street, bem ao lado de um restaurante brasileiro chamado The Bridge Cafe and Grill e de uma ponte aberta a esquiadores, que passa por cima de uma avenida movimentada por carros, criando um visual incrível.

O comércio local atrai quem não se liga nos esportes de neve e, principalmente, quem visita a cidade durante o verão, quando também rolam muitas atividades nas montanhas. Se na temporada de inverno há snowmobile e passeios de trenós puxados por cães à disposição, no verão rolam tours de bike, voos de balão, partidas de golfe e passeios de stand up paddle nos lagos.

Adobe Stock: Park City e Deer Valley – Ryan Tishken

Adobe Stock: resort Deer Valley em Park City, Utah – Salil

Deer Valley Resort

Mais sofisticado, o Deer Valley Resort tem acesso limitado a 10 mil pessoas por dia. É lá que ficam os hotéis mais chiques – e caros – da região, como o Montage e o Stein Eriksen, muito requerido por celebridades.

Durante a temporada de inverno, é possível sair desses empreendimentos com os esquis nos pés, já deslizando montanha abaixo. Os iniciantes no esporte têm a oportunidade de contratar instrutores particulares, que falam português. Já os mais experientes se deparam com lifts (teleféricos) logo ao lado, para seguir rumo às pistas mais desafiadoras. Quem quiser, ainda pode ir além e praticar heli-skiing, acessando lugares remotos por meio de helicópteros.

Adobe Stock: Deer Valley em Park City, Utah – kldangelo

Centro histórico

Se os preços de Deer Valley soarem proibitivos, não se preocupe. Ficar em Park City, por exemplo, tem muitas vantagens, entre elas aproveitar o centro histórico da cidade sem que, para isso, sejam necessários grandes deslocamentos.

Ali, quase todas as atrações se concentram na Main Street, que tem a maior pinta de Velho Oeste. Em pouco mais de 10 minutos de caminhada dá para percorrê-la inteira. No percurso há diversas lojas de grifes, principalmente de roupas de inverno. A rua também abriga galerias de arte, um museu histórico e uma série de cafés charmosos.

Adobe Stock: Park City, Utah – Thomas

Utah Olympic Park

Park City abriga o Utah Olympic Park, complexo erguido em 2002, quando a região foi palco das Olimpíadas de Inverno. Desde essa época, o turismo por lá cresceu exponencialmente, e o sucesso na realização do evento foi tão grande que a dose pode ser repetida em 2030, já que a cidade é novamente candidata a sediar os jogos.

Para os fãs de agito que visitam a área, a principal atração é uma pista de bobsled, na qual trenós deslizam em alta velocidade montanha abaixo (no maior esquema Jamaica Abaixo de Zero). A brincadeira consiste em um treinamento rápido seguido da descida, com duração de cerca de um minuto e realizada, praticamente o tempo todo, a 100 km/h.

Adobe Stock: Parque Olímpico de Utah – Ann

O Utah Olympic Park conta ainda com uma tirolesa que propõe um voo rasante sobre a montanha e uma rampa de saltos enorme, voltada apenas para profissionais. Vale a pena ir até o topo dele, nem que seja para usufruir da estonteante vista panorâmica da região e fazer belas fotos.

Agora, se descarregar adrenalina estiver fora dos planos, o melhor é seguir direto para o museu Alf Engen Ski, que conta com uma série de artefatos olímpicos, como medalhas, tochas e pedras de curling, assim como atrações interativas. Há até simuladores de bobsled e de salto por lá, bem mais tranquilos que o “mundo real” e perfeitos para quem não quer saber de altura.

Adobe Stock: Montanha Park City Utah – Jason

Publicado em: 13/12/2023
Atualizada em: 13/12/2023
Quero contribuir com essa matéria dos Voupranos

EUA